Africanos e retornados na neve, 1977. (pág. 13)

Reportagem sobre africanos e “retornados” que se encontram alojados no Sanatório dos ferroviários, situado a 6 km da Covilhã em direcção à Serra da Estrela. Das cerca de seiscentas pessoas que residem no Sanatório, mais de 60% são negras e “mulatas”. Entre elas, existem as mais variadas situações: umas têm apenas o subsídio de alimentação e alojamento, outras estão no Quadro de Adidos e recebem mais quatro contos e há quem, além desses quatro contos, receba ainda mais três por serviços prestados localmente. O trabalho sazonal do campo é uma das actividades económicas a que recorrem para se sustentar. Autoria: Viriato Simões. Jornal do Fundão, 7 de janeiro de 1977, pág. 13 (continuação da 1ª pág.), Fundão.

Biblioteca Nacional de Portugal (BNP)

O Sanatório dos Ferroviários, também conhecido como Sanatório das Penhas da Saúde ou Sanatório da Covilhã, foi uma instituição estatal de saúde destinada ao tratamento de pessoas com tuberculose, no concelho da Covilhã. Em março de 1976, já sob o nome de Abrigo dos Hermínios, o Sanatório viu chegar cerca de 800 pessoas vindas de Angola. Progressivamente, os residentes foram abandonando o edifício e alguns deles ficaram a residir na Covilhã. Ver neste arquivo, o documento: "Africanos e retornados na neve, 1977. (1ª pág.)"