Estadia paga pelo IARN à Pensão Moderno, 1976.

Carta com data de 10 de março de 1976. Devido a dificuldades financeiras, desde a sua chegada a Portugal (30 de julho de 1975) até finais de janeiro, o autor da carta [identidade protegida], instalou-se em casa de uns primos. Posteriormente, foi viver para a Pensão Moderno, em Bragança, com a sua esposa e um filho (2 anos). Encontra-se destacado no Ministério da Administração Interna desde 8 de outubro de 1975, em Bragança, mas, como os seus vencimentos não lhe têm sido pagos na sua totalidade, viu-se obrigado a pedir auxílio ao IARN, tendo este organismo atribuído-lhe o regime de pensão completa no mesmo estabelecimento. Expõe, com surpresa, o facto de o proprietário da Pensão lhe ter apresentado facturas no valor de 14.080$00 escudos (20 dias de estadia) destinados a serem pagas pelo IARN. Com base nestes valores, um mês de estadia às custas do IARN traduz-se num encargo de 21.120$00 escudos – uma importância três vezes e meia superior àquela que ele teria de pagar se pagasse directamente ao dito proprietário (6.000$00 escudos/mês). Proveniência: IARN – Presidência do Conselho de Ministros, Instituto de Apoio ao Retorno de Nacionais.

Arquivo Histórico Ultramarino (AHU-IARN)

PASTA 280 - Desalojados A-F