Portugal tem o direito de defender a sua soberania em Moçambique, 1964.

Na sequência de uma tentativa de infiltração da fronteira moçambicana, afirma-se que “circulos influentes norte-americanos e internacionais foram unânimes em declarar (…) que a Portugal assiste todo o direito de defender a sua soberania em Moçambique contra ataques dirigidos, financiados e controlados por Governos estrangeiros africanos e não africanos.” O Primeiro de Janeiro, 13 de outubro de 1964, 1ª pág., Porto.

Biblioteca Nacional de Portugal (BNP)

J.2044G.